Páginas

30 de abr de 2009

GRIPE SUÍNA!!!!


Falei com alguns dos estudantes sobre a catástrofe que os meios de comunicação estão fazendo sobre esta gripe suína. Temos que levar em consideração a possibilidade de uma pandemia (epidemia mundial), com dezena de milhares de mortos, mas também temos que nos atentar para o fato que os veículos midiáticos tem em vista a audiência (TV), o acesso (internet) e a compra/leitura (jornalões e revistas semanais). Não esqueçam que o lucro está na cabeça dos proprietários de empresas!!! Todavia, vou colocar um "link" do sítio Vermelho, para aqueles que gostam de ver além das manchetes. O lucro desmedido e a ausência de ação dos governos (inclusive dos ditos modelo$ EUa e União Européia) podem ser as causas últimas desta porcaria (entenderam o trocadilho, ah, ah?).

Estudantes do EE. João Cruz no ENEM 2008!!!


Os dados do ENEM 2008 foram divulgados. Os estudantes do 3º Ano 2008 do Ensino Médio da EE. Prof. João Cruz conquistaram média de 53,33 pontos, a melhor entre as escolas estaduais de Ensino Médio de Jacareí. Mesmo ainda não sendo a ideal, parabéns a todos!!!

ENEM revela: pouco investimento público em educação compromete rendimento!!!!

Retirado do sítio do Ministério da Educação - www,mec.gov.br - 30/04/2009 - 14:19
Desempenho de escolas estaduais é prejudicado por baixo investimento
Quarta-feira, 29 de abril de 2009 - 15:28
O ministro da Educação, Fernando Haddad, atribuiu à insuficiência de investimentos o baixo desempenho dos alunos de escolas da rede pública estadual, em comparação aos de escolas privadas, no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Ao comentar os resultados por escola durante evento do Instituto Ayrton Senna, em Brasília, nesta quarta-feira, 29, o ministro também destacou a situação socioeconômica dos estudantes.
“A média de investimento nos estados é de R$ 1,5 mil por aluno por ano. Esse valor é comparável ao de uma mensalidade escolar da rede privada”, afirmou. O ministro lembrou que os investimentos estaduais no ensino médio cresceram cerca de 50% acima da inflação, entre 2002 e 2007. “Mas ainda é muito pouco”, observou.
A média das escolas federais, no entanto, equivale à de países desenvolvidos. “Todas as escolas têm metas estabelecidas pelo PDE (Plano de Desenvolvimento da Educação). As federais estão muito próximas da meta a ser alcançada em 2021. As estaduais estão longe”, afirmou.
Por outro lado, Haddad destacou que o atual modelo do Enem não compara resultados no tempo e não engloba todo o currículo do ensino médio. “Não é possível aferir melhorias com o atual modelo”, alertou.
Já o novo Enem, proposto pelo Ministério da Educação, como alternativa aos vestibulares, permitirá identificar se houve melhoria no desempenho dos alunos ao longo do tempo. “Hoje, a métrica não é a mesma entre as provas. O novo Enem terá uma nova tecnologia que permitirá a comparabilidade e a orientação do currículo do ensino médio”, explicou.
Quanto às condições socioeconômicas dos alunos, Haddad disse que cerca de um terço dos brasileiros em idade escolar básica vive em condições de pobreza, tem pais com pouca ou nenhuma escolaridade e sofre com problemas que interferem negativamente no desempenho escolar, como as migrações ou o trabalho infantil.Maria Clara Machado

23 de abr de 2009

Joaquim Barbosa, o Grande!!!

Viva ao Ministro Joaquim Barbosa!!!! Grande Brasileiro!!! O povo brasileiro aplaude seu discurso frente ao Presidente do STF, Gilmar Mendes.

18 de abr de 2009

Datas das Avaliações Bimestrais de História

Relembro as datas das Avaliações Bimestrais de História:
6ª Disciplina - 24/04
2º A (Carinho) -28/04
2º B (Justiça - 22/04
2º C - (Honestidade) - 24/04
3º A (Amizade) - 23/04
3ºA (Amizade) História DAC - 24/04
3º C (Respeito) - 23/04
Bom feriado !!!!

15 de abr de 2009

União Nacional dos Estudantes (UNE) faz protesto exigindo fim do Vestibular!!!

Retirado do www.une.org.br - 15/04/2009 - 21:26
Estudantes ocuparam as ruas da capital paulista pelo fim do vestibular
Além de pedir o fim do vestibular, o ato reivindicou mais investimentos em educação e a necessidade da reformulação do Ensino Médio e da maior assistência ao estudante por parte do governo
Cerca de 5 mil estudantes ocuparam as ruas da capital paulista na manhã desta quarta-feira (15) em uma manifestação para reivindicar o fim do vestibular. Segundo a UNE e a UBES, o novo modelo de vestibular proposto pelo Ministério da Educação (MEC) não basta para "democratizar o acesso à universidade".
Concentrados no vão livre do Masp, na Avenida Paulista, estudantes caminharam em passeata até a Secretaria Estadual da Educação. "É preciso uma discussão ampla com a sociedade, principalmente com a comunidade acadêmica. Não pode ser colocada como uma proposta unilateral isolada. O vestibular é apenas um dos pontos para a universalização do ensino", declarou a presidente da UNE, Lúcia Stumpf.
Já em frente ao prédio da secretaria no fim da manhã, os estudantes foram recebidos por assessores e deixaram um manifesto chamado "Sou mais educação".
A manifestação chamou a atenção para a substituição da tradicional prova pelo "Enem seriado", em que o exame seria adotado ao final de cada um dos três anos do ensino médio.
Além de pedir o fim do vestibular, o ato reivindicou mais investimentos em educação e a necessidade da reformulação do Ensino Médio e da maior assistência ao estudante por parte do governo. As entidades estudantis afirmam que, para democratizar o acesso à universidade, o estado deve proporcionar as condições básicas - como moradia, alimentação e transporte - ao estudante de baixa renda para que ele possa estudar em instituições de outros estados.
Além disso, a UNE e UBES deixaram claro que não concordam com a utilização da nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) para selecionar alunos para o ingresso às universidades. Segundo eles, o exame é insuficiente para avaliar o aluno e mantém o sistema de prova única, rejeitado pelas entidades. "Seria como trocar seis por meia dúzia. O melhor é aplicar o Enem de maneira seriada, ou seja, no final de cada ano do Ensino Médio", diz Ismael Cardoso, presidente da UBES.
Proposta tímida A mudança no Enem está entre os assuntos discutidos no protesto. Ismael Cardoso e Lúcia Stumpf, presidentes da Ubes e UNE, respectivamente, classificam a proposta do Ministério da Educação como "tímida" e "limitada". Segundo eles, que defendem o "Enem seriado", não basta substituir o vestibular tradicional pelo novo Enem.
"A ideia é pegar o filme do estudante e não a foto. A melhoria do vestibular tem que estar casada com a melhoria do ensino médio", diz Ismael Cardoso. De acordo com ele, a aplicação do exame de modo seriado também ajudaria a aprimorar o ensino médio. Lúcia Stumpf também pede aumento da verba do MEC à assistência estudantil, uma vez que se acredita que a unificação do vestibular das federais provoque maior mobilidade estudantil no país. Da Redação