Páginas

30 de jan de 2010

Fascismo e Futebol: a Copa de 1934


O Lance traz um programa sobre a influência do Fascismo na conquista da Copa de 34 realizada na Velha Bota e conquistada pela Itália!!!
Link do Lancenet:

P.S.: Vejam a "bandeira" do Brasil (canto inferior esquerdo). Um pouco diferente da verdadeira né?!!!

29 de jan de 2010

Grande Giovanna!!!! Parabéns!!!


GIOVANNA TERRANOVA PASSOU NO VESTIBULAR DA UNESP-ASSIS!!! QUAL CURSO? HISTÓRIA!!!!

GRANDE ALUNA DA EE. PROF. JOÃO CRUZ, QUE DESDE MUITO CEDO DECIDIU SEU FUTURO!!!! DESEJO TODA FORÇA, SAÚDE E SORTE PARA ESTA GRANDE MENINA!!!

"POR UMA EDUCAÇÃO QUE LIBERTA!"

Resultado do Vestibular UNESP 2010

Boa sorte a todos canditados, principalmente para meus queridos/queridas alunos/alunas!!!
Link para página da UNESP:
http://www.unesp.br/vestibular/

28 de jan de 2010

Raízes sociais e ideológicas do Lulismo

Li o artigo Raízes sociais e ideológicas do Lulismo de André Singer (link abaixo). Interessante.
Será que PT e Lula/Lulismo estão dissociados completamente?
Será que o bonapartismo lulista existe? E que tenha atraído irreversivelmente o chamado "subproletariado'?
E em São Paulo´? Será que esta parcela do eleitorado se descolará do discurso consevador dos tucanos? Será que uma figura como Ciro Gomes (oriundo da classe média, mas de formação política nordestina, ou seja, "popular") pode atrair/se identificar com o subproletariado?
Leiam e comentem!!!!!
Link da Revista Novos Estudos:
http://novosestudos.uol.com.br/acervo/acervo_artigo.asp?idMateria=1356

NOTAS DO ENEM JÁ ESTÃO DISPONÍVEIS!!!!

SÍTIO DO MEC:
http://sistemasenem2.inep.gov.br/Enem2009/

Taxa de desemprego é a menor em série histórica!!!

Link do G1:
http://g1.globo.com/Noticias/Economia_Negocios/0,,MUL1466453-9356,00-DESEMPREGO+TEM+NOVA+QUEDA+E+VOLTA+A+MENOR+TAXA+DA+HISTORIA.html

26 de jan de 2010

...demasiado humano.

"sapiens e demens
faber e ludens
empiricus e imaginarius
economicus e consumans
prosaicus e poeticus"

24 de jan de 2010

ORI

"Cada um é poder. Cada um é Quilombo!!!"

Análise sobre o PCC

O Estadão traz no blog "Crimes no Brasil" uma longa entrevista com acadêmicos que pesquisaram o PCC.
Muito interessante:
http://blogs.estadao.com.br/crimes-no-brasil/2010/01/23/16-perguntas-sobre-o-pcc/

22 de jan de 2010

Direita volver

Este é o título da última crônica de Marcelo Rubens Paiva, autor de um dos livros que marcaram minha vida (Feliz ano velho).
Sua crônica trata da morte do famigerado agente da Ditadura Erasmo Dias.
Link:

http://blog.estadao.com.br/blog/marcelorubenspaiva/?title=direita_volver&more=1&c=1&tb=1&pb=1

Ciro Gomes para governador de São Paulo? Vamos ver!!!!


Retirado de http://www.viomundo.com.br/ - 22/01/2010 - 11:18

Existe espaço para Ciro Gomes em São Paulo
Atualizado em 20 de janeiro de 2010 às 22:51 Publicado em 20 de janeiro de 2010 às 22:38
por Luiz Carlos Azenha
Moro em São Paulo. E sei, por experiência pessoal, que os paulistanos não estão satisfeitos com a vida que levam na cidade.
Uma pesquisa recente, feita pelo Ibope para o Movimento Nossa São Paulo (leia aqui), mostra que há espaço para uma candidatura corajosa, que esteja disposta a mostrar o mau gerenciamento ou a falta de gerenciamento que é a política oficial dos governos do PSDB/DEM em São Paulo. Não é que não haja governo: há governo para fazer uma ponte bonita sobre o rio Pinheiros para aparecer nos telejornais da TV Globo. Pouco importa que o rio seja podre e o trânsito horrível. Importa o cenário.
Pela pesquisa divulgada segunda-feira, os paulistanos dão nota 5 para a educação pública e 3,8 para a segurança pública; mais de 70% desaprovam a saúde pública e 77% desaprovam o tempo médio de deslocamento na cidade, que é de 2 horas e 43 minutos por dia. Se tivessem chance, 57% dos paulistanos deixariam a cidade.
A pesquisa se refere apenas aos moradores da região metropolitana de São Paulo. Sabemos que os eleitores do interior de São Paulo são mais conservadores, mas uma fatia deles também reclama dos serviços públicos, especialmente dos pedágios. No entorno da capital temos o chamado cinturão vermelho, onde um candidato de oposição à hegemonia PSDB/DEM no estado tem futuro.
Mas esse candidato precisa dizer aos eleitores que São Paulo não é assim por acaso, mas por causa de um modelo de administração que privilegia determinados interesses -- na capital, a especulação imobiliária e o automóvel --, enquanto abandona à própria sorte grande parte dos paulistas e paulistanos, como se vê quando as enchentes atingem bairros pobres.
Esse modelo está apenas se aprofundando. Em vez de dar prioridade absoluta ao transporte público, as grandes obras do atual governador contemplam o automóvel: a ampliação da marginal e do Rodoanel, que em breve serão inauguradas com grande fanfarra. Na marginal, o governador atrairá um número maior de automóveis para as margens de um rio podre, que transborda. Em vez de atacar de frente os problemas, optou por obras que rendem votos mas adiam a solução para o futuro.
Um governo que privilegia o automóvel e não o ser humano, que cobra impostos de todos mas que governa para alguns: estas são as bases gerais de uma candidatura de oposição em São Paulo. Mas exigem alguém como Ciro Gomes para encarná-la. Alguém que não tema o confronto político. Alguém que não faça campanha tentando se disfarçar de tucano.

20 de jan de 2010

Haiti (2)

Heloísa Villela, jornalista da Record que stá em Porto Principe, concedeu uma entrevista para o Viomundo. Dentre outras afirmações, destaco:
Viomundo -- Está hoje no portal do Estadão com informações do jornal O Estado de S. Paulo uma matéria com a seguinte manchete: Sem controle, saqueadores tomam conta no Haiti. É verdade?
Heloisa Villela -- Isso não existe!!! Essa não é realidade no Haiti, inclusive em Porto Príncipe. Querer mostrar que aqui é perigoso, além de leviano e irresponsável, é um desserviço para o trabalho de resgate e de ajuda humanitária. Tanto que todos os jornalistas estão circulando pelas ruas. Mas por conta desse alarme louco de alguns órgaos de imprensa, a ONU não quer deixar médicos e pessoal com caminhões de comida e outras coisas saírem do aeroporto sem escolta. O que, evidentemente, atrapalha e atrasa tudo.

Link com a entrevista completa:
http://www.viomundo.com.br/entrevistas/heloisa-villela-trabalhamos-e-choramos/

Sobre o Haiti (1)


Estava na praia quando soube do terremoto no Haiti. Desde aquele dia venho acompanhando o martírio deste povo irmão. Martírio transformado em espetáculo pelos canais de TV e jornalões. Em janeiro, editores e seus jornalistas estão sedentos de tragédia. Foram abençoados pelas chuvas de fim de ano no Brasil (transformaram em novela absurdo de Angra e São Luis do Paraitinga) e agora vem o Haiti.

Apesar destes vampiros, o caso do Haiti é muito triste. Este país surgiu como primeira nação livre da América (os EUA tinham escravos!!!). A primeira nação comandada por negros e que por isso foi isolada do restante do mundo ao longo de boa parte do século XIX!!!! O Haiti foi exemplo para diversos movimentos de libertação do povo negro e, ao mesmo tempo, motivo de pesadelos para a elite escravocrata do Brasil.

Este povo que sofre com a interferência estrangeira, com o domínio de uma elite corrupta e, agora, com a natureza, vai se levantar!!!

Toda força para este povo irmão!!!!
P.S: só usei a imagem da bandeira haitiana porque não encontrei nenhuma que mostre a beleza do povo deste país!!!

19 de jan de 2010

Sítio arqueológico de Pinheiros em risco!!!!

É pessoal, parece que querem acabar com importantes vestígios de cultura material de São Paulo. O metrô pode passar por cima de centenas de anos.´
Veja notícia no site do Paulo Henrique:
http://www.paulohenriqueamorim.com.br/?p=25786

Estou de volta...

Nesta última semana passamos dias de verdadeira vida boa!!! Fomos para a praia. A areia e o mar ajudam a pensar e conversar sobre coisas que, muitas vezes, são fundamentais para a vida em comum, a real vida de casado!!! Também fomos para Santos: História (depois escrevo sobre isso), amigos e um dia de boemia!!! Fazia muito tempo sem os amigos e boemia!!! Foi demais!!! Agora, voltemos pois o ano começará... depois do Carnaval!!!!
"Pro alto e avante!!!"

11 de jan de 2010

"A barbárie já está em marcha. A insurgência dos oprimidos, também."


É com estas palavras que Jorge Beinstein finaliza seu texto. Uma das melhores análises sintéticas sobre a crise capitalista (acabou ou apenas começa?) e das possibilidades abertas para a superação do mundo burguês. Leia e reflita:

Link da Agência Carta Maior

http://www.cartamaior.com.br/templates/materiaMostrar.cfm?materia_id=16321

10 de jan de 2010

Imigrantes na Europa: bomba relógio!!!

A questão dos imigrantes na Europa fica cada dia mais complicada. Leia sobre confrontos na Itália. Link da mátéria dos Estadão:
http://www.estadao.com.br/noticias/internacional,apos-conflito-africanos-sao-retirados-de-cidade-italiana,493133,0.htm

9 de jan de 2010

Justiça não é revanchismo!!!

Reafirmo minha posição: nossa sociedade precisa julgar os torturadores, esta é a única maneira de garantirmos o aprofundamento da Democracia!!!
Retirado do sítio www.viomundo.com.br - 14:52
Justiça não é revanchismo
por KENARIK BOUJIKIAN FELIPPE, na Folha de S. Paulo
É GROTESCO falar em "revanchismo", ato pessoal de desforra por ofensa recebida, em referência à responsabilização dos atos inumanos, catalogados como crimes de lesa-humanidade, praticados por agentes do Estado ou pessoas que atuaram com sua autorização, apoio ou consentimento no período da ditadura instaurada em 1964. Trata-se de tema de Estado, e sua correspondência é justiça.
Acolhido o pleito social e político de necessidade de construção da democracia, sobreveio a Lei da Anistia, que reconheceu a injustiça da situação de fato e da aplicação das leis penais vigentes para os que se opuseram ao regime militar e é exclusiva para aqueles que cometeram crimes políticos e conexos. Mas ainda não resgatamos a verdade e a memória nem fizemos justiça, o que se choca com o ideário de consolidação do Estado democrático de Direito.
O Programa Nacional de Direitos Humanos estabelece a modernização da legislação para a promoção do direito à memória e à verdade, como diretriz. Revisão imprescindível, pois há muito entulho autoritário, atinente à lei de segurança nacional, aos arquivos secretos etc. No tocante à impunidade dos torturadores, desnecessária a alteração da lei de anistia.
A OAB ingressou em 2008 com ação para que o STF interprete a lei e declare que ela não se estende aos crimes comuns praticados pelos agentes da repressão contra opositores políticos, na medida em que aqueles delitos não são considerados políticos, tampouco conexos. O processo está com o procurador-geral da República desde fevereiro de 2009 e, devolvido, o ministro relator, Eros Grau, poderá colocá-lo em julgamento.
A sociedade clama ao Supremo a resposta necessária para a construção da paz. Não aceita a impunidade e não almeja vindita. Encaminha apelo, lançado pelo Comitê contra a Anistia aos Torturadores, assinado, entre outros, por Antonio Candido, Chico Buarque de Holanda, Aloysio Nunes Ferreira, Chico Whitaker, Alberto Silva Franco, Marilena Chaui, Leandro Konder, Hélio Bicudo, Boaventura de Sousa Santos e mais 11 mil pessoas (www.ajd.org.br).
Clique aqui para assinar o manifesto contra anistia para torturadores
Quer justiça, dentro dos parâmetros da dignidade humana, estabelecidos na Constituição, em convenções e em tratados internacionais.
Os regimes ditatoriais da América Latina adotaram um sistema penal paralelo e subterrâneo. Impuseram penas sem processo, cometeram homicídios, desaparecimentos forçados, torturas, suplícios, sequestros, crimes sexuais, tudo com requintes de crueldade.
Para enfrentar esse legado de violência, vários países já compreenderam o sentido do direito penal internacional. Revelam a verdade, resgatam a memória e examinam as violações ocorridas no período ditatorial à luz da Justiça, e o fazem na perspectiva de que os crimes contra a humanidade protegem bens jurídicos que extrapolam os limites do direito penal nacional e atinge a comunidade internacional. Atinge a humanidade.
É necessário que o passado de violação e impunidade não continue a ser o parâmetro do presente para que possamos consolidar a democracia e, no futuro, viver em um Brasil que não abrace a cultura autoritária de violência no seu dia a dia.
Hitler dizia que ninguém se lembrava mais do genocídio de 1,5 milhão de armênios. Assim tivemos o genocídio dos judeus. Crimes que não atingiram apenas aquelas pessoas e povos, mas toda a humanidade.
Sobre a dor e o sangue deles é que foram forjadas as normas internacionais que não admitem a impunidade dos crimes contra a humanidade, que protegem direitos inderrogáveis acolhidos pelo direito internacional, tratando-se de "ius cogens", normas que vinculam independentemente da vontade dos sujeitos da relação jurídica e que todos os países signatários, como o Brasil, têm a obrigação internacional de investigar e punir -e para os quais não há anistia ou prescrição.
Afirmar que houve anistia para os torturadores é ética e juridicamente insustentável. Fere o patamar civilizatório em que a humanidade se encontra. Justiça! Já não é sem tempo.KENARIK BOUJIKIAN FELIPPE , juíza de direito em São Paulo, é co-fundadora e secretária da Associação Juízes para a Democracia.

Primeira página: um dos muitos absurdos!!!


Esta é a primeira página do Estadão de hoje (09/01/2010). O leitor desavisado é levado a entender que as mulheres (povo) estão revoltadas devido ao Plano de Direitos Humanos (aquele que quer dar nome aos torturadores; aquele que quer evitar a violência no campo; aquele que quer acabar com inúmeros absurdos dos meios de comunicação). Como sabemos a imagem se refere ao absurdo na Vila Romano( lá na Zona Leste de SP): faz um mês que o bairro está alagado!!!! E o prefeito (?) Kassab não resolve o problema. A revolta dos cidadãos foi tamanha que o Kassab foi obrigado a sair rapidamente da vila, visto o perigo de ser agredido fisicamente.

Texto interessante!!!

Apesar de sua filiação política, Cláudio Lembo (DEM-SP) publicou interessante texto ("Lula e os humores nacionais")na CArta Capital desta semana. Aí vai o link:
http://www.cartacapital.com.br/app/materia.jsp?a=2&a2=8&i=5801

7 de jan de 2010

Cristina Kirchner decreta liberação de documentos da Ditadura Argentina!!!


Na Argentina não tem esta desculpa de "revanchismo", de "abrir feridas". Lá os torturadores suam frio!!!! Lá torturadores verão o sol nascer quadrado!!!!
"Link" da Agência Brasil:
http://www.agenciabrasil.gov.br/noticias/2010/01/06/materia.2010-01-06.6857004228/view

6 de jan de 2010

Vamos comentar!!!!


Inseri recentemente um contador de visitas e outro de navegantes online. Fiquei feliz pelo número de pessoas que acessam o VivaHistória!!! Para os que frequentam constantemente ou não, peço que comentem o material que subo no blog. Não precisa concordar com minhas opiniões!!!! O que pretendo é estabelecer o debate sobre questões do passado, do presente, do futuro!!!

Mudanças na Mída Brasileira

O link abaixo traz um texto da CARTA CAPITAL sobre profundas mudanças na estrutura dos meios de comunicação do Brasil.
Será que os jornalões já eram?
Com a entrada das Teles no mercado de TV, como fica o jogo?
E a Record? É rival para Globo? (depois vou postar minhas reflexões sobre a questão da Record).
Texto da revista CARTA CAPITAL, CLIQUE:
http://www.cartacapital.com.br/app/materia.jsp?a=2&a2=6&i=5724

5 de jan de 2010

Agora sim, Lula: filho do Brasil (Cont.)

Na última postagem acabei deixando de comentar as impressões que tive sobre o filme Lula.
Como seu próprio diretor declarou, o tom procurado foi o de melodrama. Ao escolherem a mãe como fio condutor da trama (mãe sofrida, mas forte - "como todo brasileiro!!!"), ao ressaltarem o romance de Lula e Lourdes regada a um grande som de Tim Maia ("Você"), ao dedicarem diversas cenas à violência paterna, os produtores do filme alcançaram seu objetivo.
Quanto a duração do filme considerei ajustada à proposta, ou seja, justinha, nem mais nem menos.
Assim como Olga (filme melodramático de outro personagem histórico) abusaram da utilização de "closes", efeito semelhante ao usado na TV (sobretudo em novelas). Escolha que se coaduna com o melodrama (expressões de alegria, desespero, tristeza dos personagens são esseciais).
Quanto à grande polêmica: o filme é ou não propaganda política?
Desde o início das produções, o PIG-Direita acusa o tom propagandistico da produção. Já os lulistas e outros grupos de esquerda desmentem qualquer tipo de vinculação com o governo, seja com dinheiro público ou "influência" na obtenção de recursos.
Primeiro: deve-se admitir que o tema LULA na atual conjuntura (altos índices de popularidade do presidente, economia relativamente tranquila,etc) é potencialmente lucrativo. A preocupação com a bilheteria é evidente, tanto que uma corporação muito distante do governo (Globo Filmes) é parceira de Fabio Barreto. A Globo quer lucros.
O diretor/produtores do filme tiveram grande cuidado em não obter dinheiro por meio de leis de incentivo à cultura ( colocaram até um informe de tela inteira no início do filme). Todavia, e isso a imprensa ressaltou, os patrocinadores são as grandes empreiteiras, uma grande cervejaria, uma transnacional de automóveis, uma grande da telefonia (aíaiaí), além de uma gigante da energia e outra do ramo farmacêutico. Ou seja, as grandes CORPORAÇÕES doaram recursos para um filme que trata do PRESIDENTE DA REPÚBLICA. Esta questão é mais imediata e está ligada ao choque de forças políticas que se aproxima.
Considero importante a presença de uma particular leitura sobre trajetória de Lula. As "passagens" da vida do protagonista presentes na película nada mais fazem do que indicar possíveis explicações para os posicionamentos políticos de Lula desde a década de 1970 até hoje!!! O filme é político porque seu tema é político: Lula é Política até a alma!!!! Seu caráter de retirante; a vida sofrida em Santos e em SP (a famosa Vila Carioca dos discursos!!), tudo reafirma o perfil popular de Lula (o pau-de-arara, a catraia, as enchentes, a falta de comida, a vida na favela).
Seguindo outra linha de raciocínio. Lula é filho de dona Lindu, mais também é filho do Brasil. Ou melhor: Dona Lindu é tratada como encarnação do Brasil. Lindu/Brasil explicam a vida sofrida de Lula na infância; explicam a relação do protagonista com o TRABALHO (alías um dos pontos altos do filme é quando Lula entra no SENAi limpo e sai sujo de óleo). Lindu/Brasil afastariam Lula do comodismo reinante entre os trabalhadores; afastariam Lula do Peleguismo corrente do "velho" sindicalismo. Ao mesmo tempo Lindu/Brasil afastariam Lula do ultra-esquedismo representado pelo irmão comunista.
Lula surge como uma terceira via: pragmático (semelhante a Vargas?), afastado da elite golpista/reacionária, livre do ortodoxismo esquerdista e, principalmente, emerge como Mito!!!

A agonia de dona Lindu corre em paralelo ao surgimento do líder sindicalista. Sua morte acontece no mesmo momento em que Lula é preso no DOPS. Passagem que o transformaria no Lula que o conhecemos mais detelhadamente (o fundador do PT, o líder de massas, o eterno candidato a presidente, o que representava o ideal de transformação do Brasil).
A morte de dona Lindu é construida como a morte do velho Brasil. Mesmo morto, o velho Brasil (Brasil verdadeiro, profundo?) estaria presente em Lula em 2003 (daí a lembrança da mãe no primeiro discurso como presidente) na construção de um novo Brasil.

4 de jan de 2010

"Lula: o filho do Brasil"


Assistimos Lula: filho do Brasil(eu, Dani e meus sogros). Foi muito legal olhar algumas vezes para o lado e perceber dois ex-operários do ABC reagindo a uma trama que viveram. Ao sairmos do cinema, minha sogra disse e meu sogro confirmou: "O filme é bom, mas as greves foram muito mais dramáticas".
Ambos participaram das paralisações de 1978-1979 e a lembrança que possuem é uma mistura de grande preocupação com o salário do mês (foi uma greve longa) e com absurda violência policial contra os trabalhadores.
Ambos aspectos ficam em segundo plano no filme.
Alías, até o momento não vi nas telonas qualquer tipo de esforço em tentar "retratar" a vida cotidiana de milhões de trabalhadores e trabalhadoras ao longo da Ditadura Militar. Na verdade, e isso talvez seja uma lacuna em minha formação, nunca li qualquer trabalho historiográfico que tratasse desta temática.
Quanto à violência da polícia, da polícia política e dos militares das três forças existem películas e farto material escrito . Todavia, estas obras se restringem ao universo da elite intelectualizada (jovens estudantes, militares dissidentes, artistas, padres ligados à Teologia da Libertação, etc) e à uma pequena parcela politizada dos trabalhadores (pequena para não dizer nano).
Tal quadro é muito perigoso, sobretudo quando nos atentamos para a memória coletiva dos mais velhos e principalmente dos mais jovens. Parte do primeiro grupo é saudoso do "tempo dos militares" , supostamente tempo de ordem, respeito e patriotismo. Já para os mais jovens a Ditadura é simplesmente desconhecida (é isso que vejo na escola em que trabalho) ou valorizada.
Como explicar uma possível valorização? Arrisco dizer que a estética da violência, que inclui a fetichização da farda e machismo, aliada às enormes dificuldades do "mercado de trabalho" (eta expressão gasta!!!) são fatores fundamentais para compreender a atração exercida por militares junto a boa parte da juventude.
Continua...
Continua....

2 de jan de 2010

Feliz Ano Novo!!!

É o q desejo a todos: sorte, saúde e força!! Dificil não poder estar junto de todos q são importantes em minha vida!!! O q vale é poder lembrar de todos, mandar energias positivas!!!
Grande 2010 pra todos!!!